quarta-feira, 29 de maio de 2013

O Novo Código Florestal e as Cidades

Vista de São Paulo da Serra da Cantareira. Gabor Basch
Na última segunda-feira, dia 25 de maio, o Novo Código Florestal completou um ano de existência. Segundo estudo da The National Conservancy, as florestas brasileiras podem perder até 40% de área protegida pelo antigo Código Florestal. Somada a permissividade do novo código, quem desmatou até 2008 está anistiado da obrigação de reflorestar. 

E para agravar a situação, os detalhes práticos do novo código ainda não foram regulamentados, como por exemplo, um dos seus únicos avanços, o Cadastro Ambiental Rural, que possibilita a fiscalização das áreas a serem protegidas. Assim, o novo código segue sem ser posto em prática o que de acordo com o Greenpeace, "o processo de implementação da legislação estagnou-se e os conflitos no campo seguem a todo vapor."

E não é só nas matas e fazendas que novo código irá afetar, as cidades com seus rios, córregos e matas também estão sob o impasse desta lei. Por exemplo, como será a aplicação da distância de 15 metros nos córregos dentro das cidades, geralmente já ocupados por construções e avenidas?

O Greenpeace está recolhendo assinaturas para que uma nova lei de iniciativa popular seja aprovada e limite o desmatamento. Para quem quiser assinar, o link é: http://www.ligadasflorestas.org.br/?utm_source=websitegpbanner

Para saber mais:

Reportagem do Greenpeace
http://migre.me/eMroy

Reportagem com o estudo da National Conservancy
http://migre.me/eMrrv


Foto:
Título: Vista da cidade de São Paulo no núcleo Pedra Grande, no Parque Estadual da Serra da Cantareira.
Autor: Gabor Basch
Licença: Creative Commons Atribuição 2.0 Genérica (CC BY 2.0)